Viajante Sem Mala e o Mundo das Idéias

idea1

Fonte: http://www.google.com

Olá Pessoal!

Eu sei que eu já comecei outros posts assim, mas não tenho como evitar: estava cozinhando este post na minha cabeça a muito tempo e agora decidi escrever. Por isso, senta que lá vem história 🙂

“NY é a cidade das oportunidades!”. Quem nunca ouviu essa frase?! Parece que tudo acontece aqui e já ouvi e li muita coisa relacionada a esse assunto. Aqui, você pode estar andando com o seu cachorro e esbarrar no seu futuro chefe, pode conhecer sua futura namorada numa fila, etc. Não que essas coisas não aconteçam em outros lugares do mundo, mas aqui parece que a probabilidade é maior 😉

Essa é uma das cidades mais amadas do mundo. Tô mentindo?! Claro que sempre tem alguém que não gosta, mas a grande maioria AMA. É a cidade que não dorme e onde as oportunidades acontecem.

Por que será que eu estou escrevendo tudo isso?

Estou escrevendo isso tudo porque recebemos um convite muito bacana para participar de um projeto (ainda não podemos contar mais detalhes, mas vocês em breve saberão). E a idéia do projeto está baseada em IDÉIAS.

Sei que o texto está parecendo meio confuso, mas é isso mesmo! Aqui existem pessoas que são pagas só para ter idéias e escrever sobre elas. Sei que no Brasil deve ter isso também, mas aqui, eu sinto que as coisas rolam de uma forma diferente.

Ontem , durante uma reunião, surgiu o comentário do conceito de AMBIÇÃO, que segundo esse dicionário aqui (http://www.dicio.com.br/ambicao) possui dois conceitos (que a meu ver são bem distintos): um relacionado a cobiça (algo mais negativo) e outro relacionado a obstinação (algo mais positivo). Posso estar errada, mas eu acredito que nós brasileiros olhamos para essa palavra no seu sentido mais negativo: “fulano é tão ambicioso que sai atropelando qualquer um que possa atrapalhar os seus planos”. Aqui, é exatamente o oposto: PESSOAS AMBICIOSAS SÃO BEM-VINDAS. Isso aqui significa que você tem metas e que está buscando vencer na vida.

Se você tem o sonho de crescer profissionalmente, aqui é o lugar. Claro que a sorte ajuda muito – tipo você estar no lugar certo e na hora certa – mas, tenho visto muitos brasileiros crescerem e prosperarem aqui com trabalho árduo, mas que é recompensado no futuro 😉

Uma coisa que eu sempre falo para as pessoas que pensam em se mudar para os EUA: você precisa aprender a pensar como americano. Com isso, não estou querendo dizer que você deva esquecer das suas origens e de sua identidade: de jeito nenhum…pois é isso que irá diferenciar você dos demais e o diferente aqui é sempre WELCOME 🙂 Sabe a história que todo professor de inglês fala: “você precisa aprender a pensar em inglês e não ficar traduzindo do português para o inglês”? É mais ou menos por aí. Uma vez que você aprenda isso, você será poupado de muito estresse e decepção.

O texto ficou um pouco confuso, não é? Hoje estou ainda no processo de brainstorm e isso é reflexo dele…rs. Prometo que os próximos posts serão mais coerentes 🙂

Por fim, o que eu quero dizer é: seja AMBICIOSO, ponha as suas idéias em prática e, com certeza, você irá prosperar na vida 😉

Que fique bem claro que essa é a leitura que EU FAÇO a partir da MINHA experiência aqui em NY.

Esse assunto ainda será explorado em mais alguns posts, mas por hoje é só, pepessoal 🙂

Bed Bugs – Algumas Considerações Sobre o Tema

bedbugs-new-york--006

Fonte: http://www.theguardian.com

Olá Pessoal!

Li essa semana, em um grupo do facebook, o comentário de uma brasileira que vive em NY e está enfrentando problemas com os bed bugs em seu apartamento. Ela estava muito chateada, pois teria que jogar seu colchão praticamente novo no lixo e, talvez, dependendo do nível de infestação, precisaria se mudar do seu apartamento. Como eu sei que muita gente desconhece o assunto, decidi repostar em minha página no facebook (www.facebook.com/viajantesemmala) o post que eu escrevi no ano passado sobre tal assunto e tivemos muitos acessos. Para quem não leu o post ao qual me refiro, é só acessar o link:

https://viajantesemmala.wordpress.com/2014/03/07/bed-bugs-o-percevejo-bom-de-cama/

Uma das primeiras coisas que avisamos aos hóspedes no momento do check in é sobre os bed bugs e reforçamos o pedido para que não sentem na cama com roupa de rua, não coloquem sua mala em cima dela, bem como qualquer coisa que tenha vindo da rua (bolsas, sacolas, compras, etc). Tem gente que acha ruim e até já foi grossa comigo dizendo: “é só uma coisa e é só um minuto”. Outros, mais educados, agradecem o aviso e não se incomodam de serem lembrados de tal fato: afinal, muitas pessoas não possuem esse hábito proposto pela gente. Já teve gente que chegou a sair daqui e passar direto na farmácia para comprar “repelente para evitar os bed bugs” 🙂

O que infelizmente muita gente não entende é que basta UM MINUTINHO e UM BED BUG para que o inferno comece 😦 e o pior é que caso haja uma infestação deles, teremos que jogar móveis e roupas fora. E esse é um tipo de experiência que nós não gostaríamos de ter (e eu sempre espero que nem o hóspede). Em 7 anos de NY, nunca pegamos bed bugs em nosso apartamento (batendo na madeira três vezes…rs).

Enfim, não é paranóia (tá bom, às vezes parece que é), mas sim precaução para evitar um pesadelo. Além dos bens materiais, ainda tem a questão de que as mordidas deles são doloridas e, não raro, levam as pessoas ao hospital.

Portanto, todo cuidado é pouco!!!

Sei que tem gente que fica hospedada aqui em casa e, depois leva esses hábitos de higiene para a sua casa. Eu fico muito feliz por isso. Se você pensar bem, é nojento você sentar com roupa de rua na cama cheirosa e limpinha. Imagine os lugares por onde você sentou e, pense que, ao sentar com essa roupa na sua cama, você está deixando um pouquinho da sujeira de onde você passou. Eca!!!!

Para finalizar este post, gostaria de deixar aqui a transcrição de um comentário que foi postado em nosso perfil do facebook, no dia 31 de julho de 2014, por uma ex-hóspede nossa e amiga Lívia Simone sobre o assunto BED BUGS.

“Hoje li que uma amiga pegou bed bug na semana do treinamento em um hotel de Nova Iorque e levou os bichinhos pra casa da Host Family. Lembrei de você porque só conheci esse problema depois que você falou sobre ele na sua página. Vale a pena atualizar porque muita gente que vem do Brasil nem sabe que isso existe. Eu mesma fiquei traumatizada depois q li kkkkk minha colega disse q a host gastou mil dólares pra um rapaz dedetizar o quarto dela mesmo assim ainda tem bicho, a casa fede a veneno e todas as roupas que ela trouxe estão em um saco plástico (fechadas) e deverão ser lavadas em alta temperatura, bem como devem ir pra secadora em alta temperatura também. Ela me contou que os bichos mordem ela e que é uma dor muito chata, fora que está com o corpo marcado das picadas. Sério, todos que vão a NY devem ter muito cuidado com isso! Tomar banho assim que chegar da rua, não sentar com a roupa suja na cama, quarto…”.

Esse bichinho não ataca apenas em NY, mas é comum também em Miami e Orlando (locais muito visitados por brasileiros).

Alguém mais já passou por essa experiência ou conhecem alguém que já tenha passado? Fiquem à vontade para deixar seu comentário aqui.

Vejo vocês na próxima 😉

Importantes Decisões para 2015

Olá Pessoal!

Este post será um pouco diferente dos posts que venho escrevendo aqui no blog.

Na verdade, este post está sendo escrito com o intuito de compartilhar com vocês um pouquinho do que está acontecendo com a gente aqui e, também dividir algumas novidades 🙂

Depois de muito pensar e pensar sobre a questão de continuar ou não em NY, acabamos optando por FICAR AQUI (pelo menos até fevereiro de 2016). Tem gente que já escuta essa história de mudança de NY há pelo menos uns 3 anos. E realmente tem sido assim: sempre ficamos nessa se vamos ou não continuar aqui. Mas por que de tanta incerteza?

O principal motivo é a nossa situação imigratória no qual só o Uka tem autorização para trabalhar e eu (Cris) não. Combinado a isso, o aluguel aqui é SUPER CARO e, não é raro termos de tirar dinheiro da poupança para completar os pagamentos do mês. Com isso, não consigo planejar férias, nem compra de carro e nem NADA que exija uma certa estabilidade financeira. Já estamos vivemos há um bom tempo nessa situação de não sabermos se teremos dinheiro para pagar as contas do mês seguinte e isso para mim é uma baita fonte de estresse. Não temos luxo aqui: não saimos para badalar, dividimos um celular (é uma ginástica isso), não temos tv a cabo e somos muito econômicos. Besteira aqui em casa só quando tem promoção ou pegamos cupom 🙂 Não acho que este tipo de vida seja saudável para ninguém 😦

Este ano de 2015 tem muita coisa acontecendo para a gente: no fim do ano, é época de renovar o visto do Uka. Queremos muito dar entrada no green card, mas os custos seriam de 10 mil dólares e esse é um dinheiro que NÃO TEMOS. Claro que ainda muita água vai rolar até setembro (que é quando deveríamos entrar com o processo de renovação do visto), mas por enquanto é isso o que temos.

Caso saiamos de NY, teremos que começar do zero novamente e isso é muito oneroso (psicologicamente e financeiramente falando). Junto a isso, estou com um problema de saúde e visitando um monte de especialistas para descobrir o que eu tenho.

No campo profissional, Uka está pegando mais gigs e seu nome está ficando mais conhecido no meio. Para mim, além do estágio, também estou fazendo meu nome como psicóloga e as recomendações do serviço estão rendendo 😉 Eu não teria o menor problema de continuar com as pacientes do Brasil via skype, mas as daqui já seria mais complicado.

Não podemos esquecer também do aluguel do quarto e do serviço de amiga de aluguel, que são duas atividades que nos ajudam (E MUITO) com as despesas.

Lukinha esse ano começará na escola e esse é um outro fator que pesa na hora de tomar uma decisão de mudança.

Enfim, agora que temos a certeza que ficaremos aqui mais este ano, estamos entrando em contato com aquelas pessoas que estavam interessadas nos nossos serviços e, só aguardando uma resposta.

Tenho certeza que a nossa decisão afeta não apenas a nossa vida, mas também a vida daquelas pessoas que estavam planejando ficar aqui em casa 😉

Para reservar qualquer um dos nossos serviços, é só mandar mensagem para a gente (viajantesemmala@gmail.com).

Gostaria de agradecer a todos pela preferência e PACIÊNCIA 🙂 Também agradecer aos amigos reais e virtuais que estão sempre nos recomendando aos amigos e nos grupos do facebook. MUITO OBRIGADA!!!!

Não deixem de continuar mandando boas vibes 😉

E claro, não poderia fechar o post sem postar uma foto da pessoinha mais importante da nossa vida e que nos ajuda sempre na tomada de decisão de cada passo que damos: o nosso super herói LUKINHA 🙂

photo (2)

Dicas para Evitar Problemas Com Aluguel de Quarto em NY

warning sign

 

Olá Pessoal!

Eu já estava com esse post na cabeça desde o ano passado e, eis que hoje, depois de ler um comentário em um grupo do facebook, decidi que era a hora de escrevê-lo 😉

Sublocar um quarto em NY não é uma tarefa fácil. Nunca foi e nunca será. Claro que depois de um tempo fica UM POUCO mais fácil porque a prática leva à perfeição…rs

Hoje li um post de uma moça que veio para NY e sublocou o quarto na casa de uma brasileira. Não vou dar muitos detalhes do que estava escrito porque sinceramente não acho que venha ao caso e cada um sabe de si. Ela disse que teve uma experiência péssima e que estava tentando “ajudar” a quem estava vindo para NY para não cair na mesma armadilha que ela. Já que ela deu as dicas dela, vou dar as minhas também 😉 Só para deixar claro, eu NÃO aluguei meu quarto para ela 🙂

Para quem vem MORAR (mesmo que temporariamente) em NY:

1) Pesquise, pesquise e pesquise: buscar informação é a melhor maneira de evitar cair em armadilhas. Entre nos grupos do facebook, dê uma pesquisada no google e veja todas as informações possíveis sobre o lugar no qual você pensa em alugar. Não é porque a pessoa que aluga o quarto está falando que é seguro, que é perto, etc., que você tem que acreditar.

2) Tenha a certeza de tudo o que se pode e não pode fazer dentro da casa: regras foram criadas para serem respeitadas. Se há alguma regra que você não concorda, converse ANTES sobre ela e não DEPOIS que você já alugou. Por exemplo: quando eu alugava por mês, eu tinha uma regra de que as pessoas NÃO poderiam trazer visitantes aqui para a casa. Algumas pessoas criticavam a minha regra e outras achavam ÓTIMO e optavam por ficar comigo exatamente por causa dela 😉

3) Troque mensagens por escrito e guarde todas: atualmente eu peço a todas as pessoas que vão ficar aqui em casa para que LEIAM as regras da casa e coloquem no e-mail de reserva que LERAM E CONCORDAM COM AS REGRAs. Algumas vezes, tem gente que comenta de certas regras e fala: “nossa, mas x coisa nem precisava estar lá…é tão óbvio”. E eu sempre respondo: “está lá porque já tivemos problemas com isso” 😉

4) Não é porque estou alugando o quarto que a casa é minha: sei que esse tema é meio controverso, mas uma vez que O SEU NOME não está no contrato de aluguel, quem responde legalmente pelo local é a outra pessoa. Tem gente que respeita isso e gente que não respeita. Caso não queira ter problemas, alugue VOCÊ um apartamento e coloque o quarto para sublocar. Com certeza, isso pode evitar muita dor de cabeça.

5) Caso seja dado um depósito pelo quarto, PEÇA RECIBO: até uma mensagem por e-mail vale. O importante é ter algo escrito.

6) Se for possível, faça um contrato POR ESCRITO: Não precisa ser nada formal (em cartório), mas é sempre bom ter tudo preto no branco para evitar complicações futuras.

7) Se houver qualquer problema referente a qualquer coisa da casa ou mesmo do comportamento da outra pessoa, VÁ CONVERSAR: ninguém tem bola de cristal e as pessoas são criadas de formas diferentes. Morar com alguém com a cara virada é a pior coisa que tem. Também peça para que a pessoa faça o mesmo que você 🙂

8) Caso haja algum problema financeiro, COMUNIQUE ASSIM QUE POSSÍVEL a pessoa que mora com você: imprevistos acontecem, mas no final do mês o aluguel deve ser pago e o dono do apartamento não quer saber dos nossos problemas. Atraso de aluguel é passível de multa. Veja se cláusula dessa natureza também consta no contrato de aluguel.

9) Veja quais são os UTILITIES incluídos no aluguel: entende-se por utilities os seguintes itens: água, luz e aquecedor. Tem gente que ainda considera o telefone, tv a cabo e internet também como utility. Algumas vezes, o preço do aluguel contem estes itens já inclusos no valor e em outros não. É bom você ter uma idéia de quanto EXTRA você vai gastar por mês. Os produtos de limpeza também costumam ser cobrados a parte.

10) Veja o tipo de TRANSPORTE que é oferecido perto do local onde localiza-se o quarto: algumas vezes, é possível encontrar o aluguel mais barato porque fica longe da cidade e, portanto, haverá um gasto maior com ônibus/metrô/trem, além do tempo do trajeto. Outras vezes o valor está relacionado a segurança da vizinhança. Caso você seja uma pessoa que volta muito tarde para casa, considere esse último item com mais apreço ❤

11) Pesquise sobre a PESSOA que está alugando o quarto: fazendo isso você evita dores de cabeça futuras. Já vi, por exemplo, gente que teve que se mudar às pressas porque estava vivendo com uma traficante.

12) Respeite o espaço alheio: aqui em NY a gente se acostuma com o respeito ao espaço alheio. Dizem que é coisa de americano 😉

Para quem vem por curta temporada (dias ou semanas) para NY:

Todos os itens acima 🙂

Na verdade, o que mais acontece (a meu ver) em quem aluga quarto por pouco tempo é:

1) O viajante não está em um hotel mas muitas vezes pensa (ou acaba se comportando) como se estivesse em um: ao alugar um quarto, é preciso lembrar que o viajante está “morando”, mesmo que temporariamente, com a pessoa que está sublocando o quarto.

2) Muita gente não vive em função do aluguel do quarto: respeitar horário de chegada e partida é sempre importante.

3) Leia atentamente a política de cancelamento da hospedagem: a maioria das pessoas que alugam quarto fazem isso por necessidade. Portanto, cancelamento significa falta de entrada de dinheiro e isso pode pesar (e muito) no final do mês.

Já ouvi muita gente falando que é mais fácil arranjar um(a) marido/esposa do que arranjar um roommate ideal 🙂 E isso é a mais pura verdade! É preciso sempre lembrar que bom senso nem sempre está presente na vida das pessoas.

Qual a abordagem que eu utilizo como psicóloga?

 iStock_000008183124XSmall(2)

 (Fonte da foto: http://www.examiner.com)

Algumas pessoas já me perguntaram sobre a abordagem que eu utilizo como psicóloga e prometi que colocaria aqui uma breve explicação (não sei se ficou tão breve, mas vamos lá…rs)

O nome da teoria que eu utilizo é: TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL (TCC)

Ela foi criada na década de 60, por um psiquiatra chamado Aaron T. Beck. Ele é considerado o pai da Terapia Cognitiva. Inicialmente ele trabalhava com psicanálise, mas percebia que seus pacientes não melhoravam tão rápido quanto ele esperava. Aí ele criou essa teoria que é muito utilizada nos EUA e que já possui várias vertentes.

Ele tem 92 anos e é esse senhorzinho de gravata borboleta aí da foto 🙂 Ele ainda é VIVO e possui um Instituto lá no estado da Pensilvânia, que é comandado pela filha dele (Judith) que é essa com o microfone (na foto). Ele está na minha WISH LIST e espero em breve conhecê-lo 😉

Judith_Aaron-Beck

(Fonte da foto: http://www.beckinstituteblog.org)

Algumas informações úteis sobre a TCC:

 

* Dentre as diversas abordagens psicológicas disponíveis no mercado, ela é uma das que mais apresentam estudos cientificos comprovando a sua efetividade e eficácia.

* Este tipo de terapia é mais breve, focada na resolução de problema (portanto, mais objetiva) e trata diretamente os sintomas.

* É uma terapia que baseia-se no presente, mas que utiliza o passado para analisar padrões comportamentais e erros cognitivos (distorções cognitivas) que foram aprendidos pelo sujeito e que causam dor e sofrimento.

* O terapeuta trabalhará sempre percebendo o paciente como resultado de uma tríade: pensamento, sentimento e comportamento.

* É um tipo de terapia mais ativa, onde paciente e terapeuta trabalham em conjunto. Muitos livros se referem a este tipo de terapia como “a terapia da conversa”.

* Durante a sessão, o terapeuta utiliza-se de técnicas (e as ensina ao paciente) a fim de que este melhore de seus sintomas e que possa utilizá-las no futuro, sem a intervenção do terapeuta.

* O paciente pode ser atendido apenas pelo terapeuta ou pode ser visto também por um psiquiatra, para a introdução de alguma medicação (isso sempre é conversado com o paciente e avaliado a sua necessidade pelo terapeuta).

* A TCC é um tipo de abordagem que não serve para todo mundo, pois alguns pacientes preferem um estilo mais passivo de terapia, onde só o cliente fala e o terapeuta escuta. Se este for o seu estilo, FUJA da TCC 😉

* O tratamento pode ser individual, de grupo, família ou casal. Atende crianças, adolescentes, adultos e idosos.

Segue a lista de alguns problemas e doenças que podem ser tratadas com êxito a partir desta abordagem:

• Depressão

• Ansiedade

• Fobias (medos). Incluo aqui os medos de: dirigir, de avião, de dentista, de falar em público, de médico, de barata, de falar inglês, tirar sangue, etc

• Manejo do estresse e/ou da raiva

 

 

 

Se alguém tiver alguma pergunta ou quiser alguma indicação de terapeutas dessa linha na sua cidade, por favor, mandar mensagem privada.

Como Sobreviver ao Calor do Verão de NY – parte 2

Essa é a segunda e última parte das nossas dicas de como sobreviver ao calor de NY…rs

Para quem perdeu, a primeira parte está aqui do post… é só acessar esse link:

https://viajantesemmala.wordpress.com/2014/06/12/como-sobreviver-ao-calor-do-verao-de-ny-parte-1/

Todas as dicas foram testadas e aprovadas por nós 😉

* Caso tenha que pegar o metrô, fique o mais longe possível da linha amarela (que fica no chão): gente, isso é sério! Todo verão pelo menos 1 pessoa morre porque passou mal e caiu no trilho do metrô (isso foi um bombeiro que nos disse uma vez). Eu já vi pelo menos um caso no jornal. Fora que essa dica deveria valer para todas as estações do ano, já que o turista corre o risco não só de passar mal (por qualquer motivo que seja) como também pode ser empurrado por alguém.

 

wikimedia.org

(fonte da foto: http://www.wikimedia.org)

 

* Traga sempre consigo um ventilador portátil, um leque ou qualquer objeto que possa produzir vento 😉 : essa dica é principalmente útil para quem vai andar de metrô. Tem dias que você pensa que vai morrer de tão quente que fica a estação. Esses mini ventiladores para mim tem mais efeito psicológico do que outra coisa…rs

mini fan

(Fonte da foto: http://www.walmart.com)

* Evite o uso de mochilas pesadas: opte por malas/mochilas com rodinhas, ou seja, qualquer coisa que você tenha que puxar. Tem muita gente que me pergunta sobre essa questão de ficar puxando mala: isso é bastante comum aqui, ou seja, você não será a única pessoa na rua a fazer isso 😉 Se for as compras, elas são super úteis!

 

mochila pesada

(fonte da foto: http://www.trialx.com)

 

* Traga consigo um desodorante: eu não sei de vocês, mas eu passo mal quando alguém chega perto de mim com cheiro de  suor fedido. No verão, com o vagão do metrô lotado, é inevitável isso acontecer. Esse é um item indispensável na minha bolsa.

desodorante

(Fonte da foto: http://www.walmart.com)

 

* Use óculos de sol: essa dica é tanto para os adultos quanto para as crianças. Já deixe o óculos separado junto com as suas coisas para não esquecer, pois eles são realmente necessários. Eu fiz a cirurgia de correção de miopia e sofro muito com a claridade. Nos dias em que eu esqueço o óculos acabo ficando com dor de cabeça.

 

Sunglasses_sold_in_Manhattan,_NY

(Fonte da foto: http://www.en.wikipedia.org)

 

* Proteja a cabeça com chapéu ou boné: muitas vezes, eu sei que esse acessório pode não combinar com a roupa, mas eu penso que a saúde vem sempre em primeiro lugar. Além do mais, você está em NY e aqui as pessoas não costumam se incomodar em como as outras pessoas estão vestidas.

photo-1

(Lukinha colocou o chapéu de praia até no Chico Bento)

* Use protetor solar: isso é importante em qualquer lugar que você estiver. Não esqueça de reaplicá-lo a cada 2 horas. Para quem não quer ficar com a mão melecada, existe a versão spray dos protetores. Eu nunca fiquei tão queimada como eu fico aqui (e olha que eu já morei no Nordeste brasileiro e na India). Para não perder a hora da reaplicação, pode colocar um alarme no relógio ou no celular (essa dica é importante principalmente para a reaplicação nas crianças).

protetor solar

(Fonte da foto: http://www.walmart.com)

 

*Opte por comer comidas leves como saladas e frutas: até em locais que servem junk food (como Burger King, por exemplo), eles vendem saladas. Isso quer dizer que não há desculpa 😉 Se quiser, pode comprar a salada até na farmácia e levá-la para comer em qualquer parque espalhado pela cidade. Muita gente faz isso e não são apenas os turistas.

Salad_platter

 

* Para as crianças, evite trazer consigo leite e seus derivados, bem como frutas como banana, pois este tipo de alimento estragará rapidamente (aliás, é impressionante como a banana estraga na bolsa em questão de poucas horas). Vou dizer o que eu gosto de comer nos dias em que o calor está insuportável: vou até o PRET A MANGER (http://www.pret.com/us), compro um sanduíche natural (eles são muito gostosos…até Lukinha e Uka gostam) e, por fim, compro um bolinho de cenoura (carrot cake) que vem embrulhadinho e é GELADINHO.

pret-a-manger-sandwiches

(Fonte da foto: http://www.mylucky9.com)

 

* Se estiver com criança, leve-as ao parque para se refrescarem: Lukinha ama molhar as mãos dele. Há muitas crianças que vão com roupa de banho e se divertem brincando com essa água toda.

 

photo-1

 

* Consulte a metereologia antes de sair de casa: veja se além do calor, tambem choverá no dia, assim você não será pego de surpresa. Não esqueça de verificar a sensação térmica e o nível de umidade. E lembre-se: se já é difícil pegar um táxi em dias normais, em dias chuvosos é mais ainda 😦

 photo

 

* Tome um anti-alérgico: eu tenho alergia a ar condicionado (parece coisa de pobre, né?! kkk). Infelizmente, muitas vezes preciso tomar um remedinho para aguentar estas mudanças bruscas de temperatura, mesmo que seja essa de entrar e sair de lojas. Já vi turista tendo que colocar casaco para aguentar o frio do ar condicionado do metrô e de alguns estabelecimentos comerciais. Aliás, um dia fui comer com uma amiga em um Burger King e o ar condicionado estava tão frio que não conseguimos comer lá. Caso tenha o seu anti-alérgico do Brasil, não custa trazer. Esse ALLEGRA é o que eu uso e ele pode ser comprado em qualquer farmácia e sem prescrição médica.

allegra

E você, o que faz para driblar o calor? Conta aqui para a gente 😉

Dica de compras: suporte para fita adesiva

Dica de compras: suporte para fita adesiva

 

Sou simplesmente LOUCA por produtos de papelaria (não é à toa que eu faço coleção de lápis) e, por isso, estou sempre atrás de “coisas fofas” para compartilhar com meus amigos. Eu já havia visto estes produtos na loja, mas hoje vi uma maior variedade e decidi escrever um post sobre eles.

Chamado aqui de TAPE DISPENSER, estes suportes para fita adesiva (fita esta mais conhecida como DUREX) são um verdadeiro CHARME!!!!!

Abaixo segue alguns modelos que são os meus preferidos:

tape 1 tape 2 tape 3 tape 4  tape 6 tape 7 tape 8 tape 9 tape 10

 

Eu já vi online alguns desses suportes que são vendidos no Brasil, mas não sei se estão disponíveis para todo o Brasil. De qualquer forma, fica aqui a dica.

Ah, estes eu vi na STAPLES, que é uma das minhas papelarias preferidas ❤

 

E você, também gosta dessas coisinhas de papelaria? Deixe aqui seu comentário 😉

Dica de COMIDA: PEANUT BUTTER (creme/pasta de amendoim)

Dica de COMIDA: PEANUT BUTTER (creme/pasta de amendoim)

 

Para mim, este produto é a CARA dos EUA. Com certeza, alguém já assistiu um filme americano no qual alguém, no meio da madrugada, vai até a cozinha para fazer um sanduiche. Geralmente….eles colocam o tal PEANUT BUTTER no pão e se deliciam com a iguaria 😉

Esse creme de amendoim possui várias apresentações: mais cremoso, com pedaços de amendoim, orgânico, com chocolate, etc. O peanut butter que é comercializado aqui nos EUA possui o sabor diferente do produto brasileiro (amendocrem). Na minha opinião, a versão tupiniquim é bem mais doce e menos cremosa (ou pelo menos era).

A pessoa pode comer só o creme no pão ou pode misturar com várias coisas, como geléia e queijo. Já vi gente colocando até alface no sanduíche (tem gosto para tudo…rs). É muito comum ver as mães colocarem geléia com o creme, a fim de ver seu filho comer (principalmente para os mais pequenos). Meu filho adora comer com pão integral ou mesmo na colher. Se deixar, ele come todos os dias sem reclamar. Eu não coloco mais nada no pão (como geléia, por exemplo) porque eu não quero que acostume a comer esta combinação, já que geléia é muito doce e ingestão de muito doce na infância não é bom.

Como o amendoim pode ser causador de alergia, é preciso tomar muito cuidado na hora de oferecer este tipo de alimento aos pequenos. Tem mãe aqui que espera até 3 anos para oferecer o alimento ao filho. A nutricionista do meu filho recomendou a seguinte combinação de refeição para ele e que pode ser dado como uma refeição:

– 1 fatia de pão integral com peanut butter
– 1 fruta
– 1 copo de leite

Sei que tem muito brasileiro aqui nos EUA que acha este produto altamente calórico e se recusa a oferecer o creme às crianças. Encontrei este link de cientistas da Harvard que responde a pergunta se esse creme de amendoim é mesmo saudável: http://www.health.harvard.edu/press_releases/Is-peanut-butter-healthy

Para quem nunca experimentou, eu acho que vale a pena experimentar em uma próxima visita a terra do tio Sam. Eu sugiro comprar a versão comum, para depois se aventurar pelas outras.

Os preços e opções de marcas são variados!

Ah, tem que prestar atenção se o tipo de peanut butter que foi comprado é daquele que necessita de refrigeração. Os do meu filho não precisam, mas já vi algumas marcas que dizem que, após aberto, deve ir direto para a geladeira.

E você, já experimentou este creme de amendoim? Gostou? Deixe aqui seu comentário para a gente 😉

Dica de NY: English Conversation Hour

Para aqueles que viajam para NY e, tem como um dos objetivos treinar o idioma, aqui vai uma dica nossa: ENGLISH CONVERSATION HOUR. Esta é uma ótima oportunidade para trocar experiências com pessoas de todos os lugares do mundo e, de quebra, treinar o inglês DE GRAÇA 🙂

 

Como funciona?

Um grupo de pessoas se reunem para conversar e treinar seus inglês. Não precisa se registrar antes: portanto, chegue cedo (a porta da sala abre as 18:15) para garantir o seu lugar nesse grupo. Como não é aula e não tem chamada, você pode ir apenas um dia para conhecer 😉 As pessoas no grupo podem conversar sobre qualquer tópico (arte, música, NY, etc). Apesar de não ter um professor, é possível interagir com nativos e pessoas que possuem um nível de inglês avançado. Tenho certeza que elas te ajudarão com excelentes dicas. Durante 1 hora, é possível interagir com 2 pessoas. Depois de 30 minutos de conversa com alguém, você rodiziará com outra pessoa 😉

 

Onde ocorrem os encontros?

Os grupos se reunem em uma sala (no térreo do Brasil – primeiro andar nos EUA) da biblioteca MID-MANHATTAN (in the Corner Room). A biblioteca fica na 455 Fifth Ave, 10016. Os grupos já vêm se reunindo desde o dia 8 de abril, mas eu só vi o panfleto deles na semana passada 😦 Não confunda esta biblioteca com aquela com os dois leões na frente. As duas ficam na 5th Ave, mas esta é a menor.

 

Entrada da biblioteca Mid-Manhattan

Image

(Fonte da foto: http://www.yelp.com)

 

Qual o nível de inglês exigido?

Este grupo é para pessoas que possuem um nível de inglês intermediário, no mínimo.

 

Quando ocorrem os encontros?

Terças e Quintas, das 18:30 às 19:30. De acordo com o calendário que eu tenho, o último encontro será no dia 19 de junho.

 

Dica da VIAJANTE SEM MALA: este tipo de grupo ocorre em muitas bibliotecas e igrejas na cidade. Fique sempre de olho nos calendários deles para se informar sobre outros programas iguais ou similares. O site da biblioteca de Manhattan é: http://www.nypl.org. Para quem ainda não sente tanta insegurança com seu domínio do inglês, sugira para o seu par uma conversa sobre um assunto no qual você se sinta mais confortável e/ou no qual sinta que o seu vocabulário é melhor 😉 Tenho certeza que, assim, a conversa fluirá mais fácil 😉

Alguém já foi em um grupo desses? Gostou? Conta aqui para a gente como foi a sua experiência 😉

 

 

E lá se foi 1 ano…

A primeira vez que eu entrei em contato com a morte eu tinha apenas 7 anos. Lembro-me claramente de achar que os mais velhos morriam primeiro e chorei a noite inteira. Chorei porque achei que perderia meus avós maternos e eles eram as pessoas mais importantes da minha vida.

Graças a Deus, ainda tive mais 28 anos de convivência com eles até que perdi o meu avô em 27 de maio de 2011 (um mês antes do nascimento do meu filho) e minha avó a 1 ano atrás.

Ontem fez 1 ano que perdi a minha avó, também mais conhecida como minha outra metade 🙂

Descobrimos que estava doente em julho de 2012 e o médico disse que ela duraria 3 meses. Contrariando tudo e todos, viveu 9 meses. Ela já estava muito fraquinha e sabíamos que ela partiria a qualquer momento. Mas, para variar, até o último minuto ela disse que viveria, o que eu acredito plenamente que era apenas para confortar a família, como ela sempre fez. Ela adorava esconder as coisas de todo mundo e assim foi até seu último suspiro.

Meus avós maternos eram meus padrinhos e realmente desempenharam seu papel de avós e padrinhos na minha vida.

Minha avó era meu porto seguro, minha confidente, sabia tudo sobre mim e estava sempre pronta para me apoiar. Eu nasci quando ela tinha a minha idade e, quando pequena, eu não entendia porque as pessoas perguntavam se eu era filha dela. Eu pensava: “como assim as pessoas não conseguem perceber que ela é a minha avó?!”. No fundo, eu ficava toda orgulhosa, pois ela, de alguma forma, fazia a função materna na minha vida.

Me lembro que ela se desdobrava para suprir a ausência dos meus avós paternos, que apesar de vivos, renegavam a mim e meus irmãos há mais de 25 anos (é chato dizer mas…eles não fazem falta). Aliás, essa história era até tratada como piada pelo meu avô (acho que para que não ficassemos TRAUMATIZADOS, segundo palavras da minha avó).

Minha avó era cheia de vida: fazia hidroginástica, era independente (sempre foi) e gostava de aventuras. Viajei com ela para a Europa e esta viagem ficou na história 😉 Me lembro até de, aos 11 anos, ela me dar de presente um ingresso para o show do New Order: foi no ginásio do ibirapuera e ela FOI COMIGO (ainda levou mais 2 amigas minhas). Minha avó era demais 🙂 🙂 🙂

Decidi homenagear meus avós e me casei no dia do casamento deles, quando eles estavam completando 51 anos de casados. Por coincidência, nos casamos até na mesma hora. Mesmo doente, pedi que a minha avó batizasse meu filho e tenho certeza que foi a melhor coisa que eu fiz: ela ficou tão feliz com isso e tenho certeza que hoje ela virou o anjinho da guarda dele.

Lukinha passou a cerimônia toda do batizado namorando a minha avó)

Image

Uma pena que ela teve de partir. Avós deveriam ser eternas. Quer dizer, pelo menos a minha deveria ter sido. Pensando bem, ela é e sempre será: está presente em meu coração e ali ficará até o fim dos meus dias. Em minha última viagem ao Brasil, logo que soubemos do problema dela, para mim já foi um adeus. Sabia que nunca mais a veria pessoalmente. E também me recusei a me despedir dela pelo telefone. Prefiro pensar que foi tudo um ATÉ LOGO, te vejo numa próxima 😉

Para mim, ainda parece que foi ontem que ela partiu. Ainda me dá um aperto no coração toda vez que algo bom acontece comigo e não posso ligar para ela para contar. Mas ao mesmo tempo, sei que ela está mais perto e está olhando por mim. E assim será até o dia em que nos reencontrarmos.

Eu me sinto uma pessoa muito sortuda por ter tido meus avós tão presentes na minha vida!

Sei que eu não seria nem metade do que eu sou hoje se não fosse por eles ❤ ❤ ❤

Obrigada, meus amores em forma de avós 🙂 Agradeço tudo o que fizeram por mim e espero fazer pelo meu filho e meus netos o mesmo.