Post de Convidada: A Experiência da Entrevista para o Visto O-3

dhsLogo

Olá Pessoal!

Convidamos a querida Nayara para escrever sobre a experiência dela na entrevista do visto O-3. A entrevista dela foi beeeemmm mais fácil que a minha e eu acredito que o motivo deva ser o sponsor do marido dela 😉 Fiquei feliz por eles e agradeço-a por ter tirado um pouquinho do seu tempo para escrever.

Vamos ao post! 🙂

Olá pessoal, olha eu de novo escrevendo para o Blog Viajante sem mala, mais uma vez a convite da Cris!!

Bom, hoje vou contar para vocês um pouquinho da minha experiência com o visto 03 que é concedido para família/cônjuge/filho de 01. Ano passado meu marido conseguiu o visto 01, mas como estávamos com pressa, apenas ele tirou o visto: eu e meu filho continuamos com o B2. Assim que meu marido conseguiu o visto, já embarcou para Las Vegas; eu e o Davi fomos depois.

Ficamos por 6 meses em Las Vegas, que é o tempo máximo para o visto de turista. Nosso tempo venceu em maio e voltamos para o Brasil. Lá, começamos a dar entrada no nosso 03. No início, achamos que teríamos que entrar com outro processo com o advogado para conseguir a permissão do governo americano, mas pesquisamos e descobrimos que conseguiríamos fazer por nós mesmos.

Começamos a maratona de preencher o DS160, meu Deus, porque inventaram isso? Pensa em um questionário chato? Pois é, esse é o DS160! Você precisa ter uma atenção gigante para preencher, pois qualquer erro o processo do visto demora 2x mais. Ainda no DS, em um momento do preenchimento eu precisei colocar o número da petição do meu marido, esse número é o que comprova que o 01 foi realmente aprovado e esse número quem emite é o governo americano. No final do questionário, o site emite um código que você precisa guardar, pois ira usá-lo para agendar sua entrevista consular e CASV.

No site de agendamento, você faz um cadastro para conseguir acessar sua conta. Depois disso, você consegue junto com o número do DS ter acesso às suas informações. Antes de conseguir agendar suas entrevistas, você precisará efetuar o pagamento da taxa consular. Para quem está tirando o visto 03 o assunto muda, pois ao invés de você pagar $160,00, você paga $180,00! É uma facada no core minha gente, mas fazer o que? Eles querem ganhar em cima de nós, pobres mortais que querem viajar para a terra do Tio San e não ter que voltar á cada 6 meses para o Brasil. No meu caso, o pagamento foi por boleto bancário, o meu e do meu filho ficou em torno de R$1700,00.

Imaginei que por ser boleto demoraria em torno de 4/5 dias para o pagamento cair e assim eu conseguir agendar, mas no outro dia ás 8:00 da manhã já estava disponível o agendamento; disso não dá pra reclamar, os gringos são rápidos quando o assunto é money! Haha Era terça-feira e já tinha horário disponível para o próximo dia na sede de São Paulo. Como minha cidade natal é interior, é +/- 3 horas de SP, preferi agendar para quinta e sexta.

Cheguei no CASV na quinta-feira 1 hora antes do meu horário. No papel de agendamento diz para você chegar no horário, mas como não pegamos trânsito, chegamos adiantados: cheguei e já entrei, tiramos foto, e fizemos o escaneamento das digitais. Todo esse processo não demorou mais que 10 minutos; moral da história: demorou mais pra limpar o peixe do que pra comê-lo. 🙄

Na sexta-feira era a entrevista. Fui chegando no consulado e o pânico foi tomando conta, não adianta gente, é igual andar de avião, você pode ter viajado 1000x, aquela dormência nas pernas e o gelo no estômago, permanecem. É de praxe!. Entrei no consulado apenas com meus documentos, não pode celular, não pode fone de ouvido e nem guarda-chuva (tinha um tiozinho tirando proveito disso, ele estava levando embora uns 10 😂). Passei pela revista e RX de roupas e sapatos, e já fui para uma fila com um dos agentes. Como meu visto é menos requisitado, a fila era mínima.

Chegou minha vez, a pessoa que me atendeu era Brasileira, não fez quase nenhuma pergunta, checou os documentos e pediu pra eu me dirigir a fila do lado, que a entrevista seria ali; chegou minha vez, e eu não lembrava mais nem meu nome. O agente consular agora era americano, me deu bom dia e perguntou meu nome, tudo em português, eu respondi e tentei não gaguejar, acreditem em mim, isso é uma proeza que poucos conseguem hahaha. Então, ele disse que precisaríamos conversar mais e em inglês, se para mim estava tudo bem. Eu disse que sim e então começamos a conversar. Ele perguntou sobre o trabalho do Vinicius, há quanto tempo éramos casados, se pretendíamos ter filhos nos EUA e sobre o trabalho do Vinicius. Foi uma entrevista super tranquila, o agente foi super educado e não dificultou em nada. Ele disse que meu visto tinha sido aprovado (eu só queria atravessar o vidro e dar um abraço no agente, mas me contive) e que eu precisaria pagar mais uma taxa de $40,00 dólares para cada visto solicitado, então daria $80,00 dólares, em real 320,00. Como eu não tinha entrado com carteira, pois não sabia da existência dessa taxa, ele me deu um papel para que eu conseguisse voltar para o consulado e concluir minha entrevista, sai, peguei minha carteira com os cartões, cheguei no banco do consulado para pagar; 1º Eles não aceitam cartão de débito brasileiro, apenas crédito. 2º Eles aceitam cartão internacional de débito e crédito, mas não aceitavam meu banco. (Valeu Wells Fargo 👍🏻). Sai novamente do consulado já com a ideia de ir ao banco e sacar o dinheiro, mas com a sorte que eu quase nunca tenho, meu cunhado tinha a quantia e me emprestou eeee 🎉( Família é TUDO!), voltei, paguei e já fui para o guichê concluir minha entrevista; mais uma vez escutei a frase linda “Seu visto foi aprovado, boa estadia em nosso país”.

Ah gringos, vocês sabem ser simpáticos, só se esforçarem como essa agente consular❤️ Quando fiz o agendamento da entrevista e do CASV, escolhi que nosso passaporte viesse pelo correio, pois ainda era maio e eu só viajaria em julho, e como os trâmites foram super rápidos, optei por me poupar e não viajar pela 3ª vez até SP. Quando foi quarta-feira da semana seguinte, nosso passaporte chegou até nossa casa; SIIIM, apenas 4 dias contando o final de semana, e nosso passaporte com o nosso visto novo já estavam em mãos.

A nossa experiência com a troca de visto foi muito boa, por todos os departamentos que passamos, todas as pessoas eram super bem treinadas e gentis. E chegou ao fim a nossa saga do visto 03!

Espero que tenham gostado, deixem suas perguntas e continuem acompanhando o blog! Vejo vocês na próxima! Beijos Nayara Moraes.

Agora sou eu que digo: vejo vocês no próximo post! 😉 Byyyeeeeeeee

Visto O-1: Valores dos Advogados em NY

dhsLogo

Olá Pessoal!

Essa é uma questão que vez ou outra aparece entre aquelas pessoas interessadas em darem entrada no processo de visto O-1: será que eu preciso de um advogado para fazer o processo?

Minha resposta é SIM!

Não sou advogada, paralegal e nem trabalho na área; portanto, minha opinião é de quem já entrou com um processo e duas renovações desse visto (inclusive a última foi em dezembro de 2015).

Esse visto é um visto muito complicado, pois requer mandar muitas evidências (papéis) para embasar o processo. E não é apenas a coleta de papéis: é preciso preencher formulários e preparar o caso.

Por isso, a minha sugestão é sempre procurar um advogado ESPECIALIZADO nesse visto, que é um profissional que já está acostumado com todo o processo.

E, para isso, é preciso colocar a mão no bolso 😉

Em novembro do ano passado fizemos uma vasta busca entre bons profissionais aqui em NY e a maioria está cobrando entre 4 mil (quando o processo é fácil e a imigração não pede mais documentação) e 5 mil (a maioria pede esse valor). E esse valor é apenas dos HONORÁRIOS do advogado, SEM CONTAR as taxas da imigração.

Eu sei que é muita grana (acabamos de passar por esse processo, lembra?), mas pelo menos, temos a garantia de que, com um bom profissional por trás do processo, não vamos perder nosso tempo e nem o dinheiro pago para a imigração.

Andei lendo pela internet que o responsável pelo pagamento do visto O-1 é o contratante, mas eu particularmente nunca conheci ninguém que NÃO TENHA sido responsável financeiramente pelo seu processo.

Já ouvi falar também de UMA pessoa que fez o processo sem advogado e conseguiu. Contudo, essa pessoa era super famosa no Brasil e tinha muita documentação para provar.

A imigração teve um aumento significativo no número de pedidos do visto O-1 e, este ano, desde que estamos com este visto (2009) NUNCA demorou tanto para obtermos a resposta. Isso porque, como o visto H-1B costuma chegar ao limite de suas aplicações, alguns empregadores perceberam que é mais fácil aplicar para o visto O-1, que pode ser aplicado em QUALQUER época do ano (diferente do H-1B) e possui um número ILIMITADO de vagas.

A boa notícia que eu li é que 95% dos casos enviados por advogados são aceitos \o/

Não sei informar sobre o valor dos honorários de advogados de outros estados, mas eu acho que sempre vale a pena pesquisar (se você não precisar fazer o processo por um específico estado). A única coisa importante é que este profissional seja ESPECIALIZADO no visto, pois é muita grana para ser investida em alguém que mal sabe o que está fazendo 😉

Vejo vocês no próximo post! Byyyeeeeee

Follow us on FACEBOOK: http://www.facebook.com/viajantesemmala.com

Flollow us on INSTAGRAM: @viajantesemmala

Cartas de Recomendação Para o Visto O-1

dhsLogo

Olá Pessoal!

Essa é uma pergunta que geralmente a gente recebe por e-mail e, que para facilitar a vida de vocês, decidimos postar a resposta aqui no site.

Existe algum formato para estas cartas do visto O-1? Existe SIM e eu vou contar agora para vocês. Porém, já aviso de antemão que assinamos um contrato com o advogado que faz o nosso visto e, nele, nos comprometemos a não dividir nossas cartas com NINGUÉM 😦 (mas ele não disse que nós não poderíamos COMENTAR sobre elas…rs).

A carta de recomendação para este visto deverá ser a melhor carta de recomendação da sua vida 🙂 E para isso, é preciso primeiramente escolher BEM quem vai escrever a tal carta.

É preciso que a pessoa que está escrevendo a carta conheça o seu trabalho (já que vai falar dele) e que ELA também seja boa no ramo. Não adianta pedir para pai, mãe, irmãos, vizinhos escreverem uma carta falando o quanto você é bom: é preciso que seja alguém da sua área e que tenha um ótimo currículo, pois um ou dois parágrafos são para falar (resumidamente) sobre a formação da pessoa que está escrevendo a carta. Por exemplo: “meu nome é ???, eu sou ???, já fiz isso e aquilo, etc.

Eu sei que brasileiro tem problema com esse tipo de carta: falar muito bem de alguém parece uma coisa meio “espalhafatosa”, de gente que quer “se mostrar”. Esse é o NOSSO pensamento. Aqui não é assim e muito menos esta carta deve ser.

Lembre-se que esta carta está sendo endereçada para um agente imigratório que vai decidir se você possui ou não habilidade extraordinária, não só pelo que ele vê dos seus documentos, mas também a partir do que ele LÊ nas cartas de recomendação.

Características do aplicante (é trabalhador, é gentil, etc) NÃO serve para este tipo de carta. Tenha em mente que eles querem saber se você será um bom “pagador de impostos” e eles estão interessados em saber sobre sua vida PROFISSIONAL e não em sua personalidade.

É preciso que, na carta, esteja explicito todos os prêmios que você ganhou enquanto PROFISSIONAL, tudo o que você conquistou enquanto PROFISSIONAL. Você pode ter sido o melhor aluno a sua vida INTEIRA e isso NÃO CONTA NADA para eles. Portanto, nada de citar sua vida de estudante aqui.

Procure usar adjetivos como UNIQUE, EXCELLENT, TOP IN THE FIELD, EXTRAORDINARY e seus sinônimos. NADA DE FALAR que você tem potencial, por exemplo, pois isso significa que você ainda não está no topo da sua profissão.

A carta não precisa ser muito longa, mas precisa ser bem escrita e convincente.

O nosso advogado nos forneceu uma lista de amostras de cartas para sabermos a estrutura delas. Isso ajudou muito, pois cada campo de atuação possui algumas especificidades que deverão constar na carta. É possível encontrar alguns modelos de cartas no google.

É por essas e outras que eu sempre recomendo as pessoas a procurarem um advogado (ou um paralegal) para ajudar com esse visto. E acredito que a maior ajuda de um advogado é principalmente em relação a essas cartas e a como montar o seu caso para a imigração.

Espero ter ajudado e, quem quiser adicionar mais alguma informação, por favor, não deixe de usar os comentários.

Ah, e se gostou do post, pode curti-lo ❤

Perguntas e Respostas Sobre o Visto O-1

dhsLogo

Com o sucesso que o nosso post sobre o visto O-1 está fazendo, acabamos recebendo algumas mensagens via e-mail e, para que a informação circule, decidimos respondê-las aqui no blog. Lembrando que NÃO SOMOS ADVOGADOS E NEM TRABALHAMOS PARA NENHUM. Temos o visto O-1 e O-3, já estamos na terceira renovação e nos propusemos a escrever sobre o visto pois se é algo confuso até para o pessoal do Consulado americano, imagine para nós…rs

Apesar de já perguntarem sobre isso, NÓS NÃO DAMOS CONSULTORIA pois acreditamos que seria leviano de nossa parte fazer o trabalho de um paralegal/advogado sem termos a licença e a bagagem para isso.

Todas as informações contidas em nossos posts sobre o O-1 são baseadas em NOSSAS EXPERIÊNCIAS com o visto. Fazemos com o mesmo advogado desde o primeiro visto (2010) e, algumas vezes, ele nos ajuda (informalmente) com as respostas aqui 😉

Vamos para as perguntas:

1) Para entrevista no consulado no Brasil, quem é que arca com despesas de passagens e hospedagem? Já que ele(meu esposo) terá que sair dos EUA para o Brasil para essa entrevista. E você sabe onde podemos encontrar esse informação escrita?

RESPOSTA: Primeiramente, é bom deixar claro que não existe a obrigação de viajar ao Brasil para pegar o visto, a menos que a pessoa queira sair do país. Morei de 2012 até agora sem sair do país e estou legal. O visto pode ser pedido em qualquer consulado americano no mundo. Eu particularmente nunca li em lugar nenhum falando sobre essa questão de quem deve pagar. Tudo nosso foi arcada por nós (por isso não viajamos para fora de NY como gostariamos). Acredito que isso deva ser algo para ser tratado direto com o sponsor. E não esqueçam de incluir isso no contrato, pois aqui as pessoas são processadas facilmente e o juiz vai querer ver onde está o PAPEL com o acordo 😉 Eu li que no caso do profissional que possua o O-1 ser demitido, quem deve arcar com as despesas de retorno dele ao seu país de origem é o sponsor. Isso consta no site da imigração, na sessão do O-1 visa (mas lá não fala se deve pagar para as pessoas que possuem o O-3).

2) Os EUA reconhecem união estável?

3) Consigo matricular as minhas 2 filhas na escola normalmente? (O3 não permite trabalho, estudar pode?)

RESPOSTA: Até crianças ilegais conseguem se matricular. O O-3 não permite trabalhar, mas permite estudar sem problemas (isso vale para as crianças e adultos).

4) Depois dos 21 anos minhas filhas perdem o direito ao O3?

RESPOSTA: O sistema imigratório está sofrendo reformas e, por isso a minha resposta é: não sei até lá 😉 Vale lembrar que, depois do direito do Green Card através do casamento, o visto O-1 é o que mais dá GC. Por isso, quem sabe vocês não dão entrada no pedido do GC antes de suas filhas completarem os 21? 😉

5) Meu marido pode tentar o visto O-1 dele e depois eu tentar outro tipo de visto pra mim e para as nossas filhas?

RESPOSTA: Pelo que a gente já se informou, não é possível fazer solicitação após a expedição do application. Contudo, essa informação já é antiga e eles podem ter mudado. Vale a pena consultar o advogado que estará cuidando do caso de vocês.

6) Que tipo de pessoa se qualifica para ser sponsor?

RESPOSTA: para ser sponsor de um O-1, é preciso ser cidadão americano ou ter o green card. É necessário que seja da área de atuação da pessoa que está solicitando o O-1. Pode ser também feito através de uma escola/empresa.

7) Dá para fazer o pedido de visto O-1 sem a ajuda de um advogado?

RESPOSTA: Sim. Contudo, a probabilidade do visto ser recusado (principalmente se você nunca fez isso e não tem a ajuda de ninguém que tenha feito) é maior. Já estamos no TERCEIRO processo do O-1 e sempre fizemos com o advogado. TENHAM MUITO CUIDADO COM O ADVOGADO ESCOLHIDO PARA FAZER O O-1. Tem muito picareta por aí dizendo que sabe trabalhar com o O-1 e, na verdade, não sabe. Esse é um visto que pede muitos documentos e, não são todos os advogados que estão qualificados para fazer este tipo de visto. Nunca se esqueçam que, muitas vezes, o barato sai caro 😦

Esse é o link da imigração sobre o visto O-1: http://www.uscis.gov/working-united-states/temporary-workers/o-1-visa-individuals-extraordinary-ability-or-achievement

Vejo vocês no próximo post! Byeeeeeeeeeee

Nossas Experiências Com as Entrevistas do Visto O-1 e O-3

dhsLogo

 

Olá Pessoal!

Decidimos aproveitar as diversas perguntas que chegam a nós através do blog e do nosso e-mail viajantesemmala@gmail.com para esclarecer algumas dúvidas quanto a entrevista do visto O-1 e O-3.

Para quem está se perguntando “o que é este visto O-1 e O-3”, sugiro que acesse esse link no qual explicamos sobre o tal:

https://viajantesemmala.com/2014/06/22/visto-o-1/

O Uka já passou pela entrevista TRÊS VEZES e eu apenas UMA. Vamos passar todas as informações necessárias para a entrevista. Primeiramente, é bom deixar aqui claro que, todos os nossos vistos foram feitos com o mesmo advogado e ELE também nos preparou para a entrevista. Quando nós marcamos a entrevista (ainda aqui em NY) avisamos a ele e marcamos uma entrevista (sem precisar pagar). Na entrevista, ele faz o tipo de pergunta que o agente pode perguntar no consulado. Isso é para garantir que a pessoa irá bem na entrevista. Como eu disse no post sobre o O-1, mesmo o visto sendo aprovado pela imigração aqui, isso não é garantia de que ele será aprovado no consulado. O Uka já viu relato de dois amigos (uma japonesa e um brasileiro) que tiveram os vistos negados no consulado. Parece mentira, né? O governo vai contra as próprias ordens dele. Pois é: ACONTECE. Eu não sei dizer ao certo o que foi que rolou nos dois casos, mas a boa notícia é de que, por fim, eles conseguiram resolver e voltar para NY \o/ 🙂

Só para não pairar dúvidas, que fique claro que a petição que é mandada para o governo daqui (para o pedido de visto) é uma e o stamp que pegamos no consulado é outro. Até o fim da próxima semana eu farei outro post para contar como foi o processo de RENOVAÇÃO DO VISTO (isso significa aquele processo de mandar os documentos para a imigração nos EUA e não a ida ao consulado). Para ficar claro, eu sempre falo da ida ao consulado para pegar o stamp no passaporte e renovar o visto. O primeiro é aquele que dura 3 meses no passaporte e o outro é o que dura três anos. Deu para entender? Ficou confuso? Vamos ver se até o final do texto eu consigo esclarecer as dúvidas.

Lembre-se que, uma vez que o visto seja aprovado (aquele da petição dos 3 anos) você NÃO PRECISA IR ATÉ O CONSULADO PARA PEGAR O STAMP NO SEU PASSAPORTE. O meu foi renovado em 2012 e vai vencer agora em dezembro de 2015. Eu NÃO SAÍ DO PAÍS e, portanto, NÃO PRECISEI pegá-lo. Como às vezes preciso andar com o meu passaporte na bolsa, sempre ando com a cópia da petição junto para que a pessoa veja que eu estou LEGAL no país (pois, se ela olhar no visto, verá que ele já está expirado). Essa é a parte MAIS CHATA de tudo 😦

Bom, vamos lá para o passo a passo:

A marcação da entrevista é do mesmo jeito que você marcaria para o visto de turista:

Primeiro passo para obter o stamp (“carimbo” – aquilo que eles colocam no seu passaporte para representar o seu visto) quando se viaja para fora dos EUA é marcar a entrevista. Para marcá-la, é só entrar nesse link:

https://ais.usvisa-info.com/pt-br/niv

DETALHE IMPORTANTE: se você NUNCA pegou um stamp O-1/O-3 no seu passaporte, você irá marcar como a PRIMEIRA VEZ na hora de pedir o visto no consulado. Se dentro dos 3 anos da sua petição, você já tirou uma vez e vai renovar (LEMBRE-SE QUE TEM QUE SER DA MESMA PETIÇÃO) você marca como RENOVAÇÃO. Se você irá tirar com uma SEGUNDA/TERCEIRA/QUARTA petição, o esquema é o mesmo. Quando o Uka tinha renovado os 3 anos dele, ele foi tirar o visto e marcou PRIMEIRA VEZ porque foi a primeira vez que ele pediu o visto com aquela nova petição.

Iniciando sua solicitação, preenche-se um formulário DS-160 e paga-se para o visto O-1 uma taxa de U$190. Esse é o link para as informações sobre as taxas:

https://ais.usvisa-info.com/pt-br/niv/information/fee

Uma vez que tenha sido enviado o formulário e o pagamento tenha sido feito, é possível agendar a data da entrevista e da coleta das digitais. Marque isso enquanto AINDA estiver fora do país, pois assim não corre o risco de ficar na mão. Lembre-se que não é possível prever o que acontecerá no consulado americano 😦

Vou fazer dois parágrafos diferentes para cada visto:

VISTO O-1: como falei acima, o Uka fez 3 entrevistas (em períodos distintos para pegar 3 stamps). Todas foram feitas no Brasil (em Recife). Ele levou a cópia de TODOS os documentos que ele enviou para a imigração aqui em NY e a petição ORIGINAL que a imigração mandou para ele, onde continha a aprovação e o período vigente do mesmo. As perguntas que foram feitas pelo agente no consulado foram todas referentes ao trabalho dele

  • qual era a tal habilidade extraordinária dele.
  • quem era o sponsor dele (mais detalhes da vida e da relação dos dois)
  • que tipo de música tocava
  • que tipo de trabalho fazia especificamente
  • os lugares onde ele trabalhava (studio, shows, etc)
  • que tipo de prêmios ele ganhou

Todas as perguntas feitas eram referentes à petição (nada foi perguntado que não constava nos documentos).

Não podemos deixar de avisar que nas TRÊS vezes em que ele fez a entrevista, a pessoa falou que nunca havia expedido esse visto (ou seja, não sabia direito nem o que perguntar).  A última entrevista dele foi em janeiro de 2015.

VISTO O-3: a minha entrevista foi em agosto de 2012 e foi feita em São Paulo. Infelizmente, eu peguei um agente que não estava em um bom dia e ele foi super rude e grosso comigo. Ficou olhando que eu já havia tido visto de turista e de estudante (antes do O-3). Ele perguntou QUE TIPO DE PESSOA PRECISA DE 2 ANOS PARA APRENDER INGLÊS. Ficou perguntando as mesmas coisas que perguntaram na entrevista do Uka. Contudo, ele ainda acrescentou perguntas do tipo: QUANTO O SEU MARIDO GANHA. Isso NUNCA poderia ter sido perguntado. Quando eu falei que não sabia, ele mandou eu chutar E FICOU INSISTINDO. Não vou mentir que passei o maior aperto e que saí de lá desejando nunca mais morar aqui. O meu visto estava para vencer em dezembro de 2012 e eu disse a ele que só queria voltar para embalar minhas coisas e voltar para o Brasil. Como eu disse, ele deveria estar em um péssimo dia, pois todas as minhas entrevistas de visto sempre foram tranquilas. Como fui eu que ajudei o Uka a preparar os documentos para a imigração, eu sabia responder tudo o que ele me perguntou. Ah, ele me perguntou ainda se eu trabalhava aqui em NY e eu disse: CLARO QUE NÃO, O VISTO O-3 não permite que eu trabalhe, apenas que more em NY 🙂

O visto O-1 é considerado visto TEMPORÁRIO DE TRABALHO. Por isso, NÃO FALE QUE PENSA EM MORAR PARA SEMPRE NOS EUA. A idéia é que terminando o período do seu visto você deve voltar para o seu país. Simples assim!

Assim que o seu visto é aprovado, é preciso pagar na hora uma TAXA DE RECIPROCIDADE. Na última vez que pagamos era U$40.00 (eu e Uka pagamos o mesmo valor em nossas entrevistas). Consegui pagar com o meu cartão do banco aqui de NY e não paguei nenhuma taxa extra.

Todas as taxas que são pagas serão pagas novamente a cada vez que for pedido o stamp para o passaporte.

O tempo de espera para receber o passaporte de volta é igual aos demais vistos. Claro que se você precisa logo do visto/passaporte, fale com o agente assim que ele falar da aprovação. Não esqueça de levar a cópia da passagem para apresentar e comprovar o que você está falando 🙂 . Já ouvi falar que teve gente que conseguiu pegar o passaporte no dia seguinte pela manhã. Para maiores informações sobre o assunto, é só acessar esse link:

https://ais.usvisa-info.com/pt-br/niv/information/visa_wait_times

Para ter a certeza da documentação exigida, é só acessar esse link:

https://ais.usvisa-info.com/pt-br/niv/information/required_docs

O stamp no passaporte serve para você ENTRAR nos EUA (você pode viajar com ele vencido se estiver SAINDO dos EUA). Se ele não estiver em ordem, você nem sai do Brasil (ou do país de onde você está partindo para os EUA).

Espero que tenha conseguido explicar o processo. Caso ainda haja alguma dúvida, pode deixar nos comentários que depois eu venho e atualizado o post.

E você, já passou pela entrevista? Se quiser compartilhar a sua experiência, fique à vontade!

Vejo vocês no próximo post! Byeeeeeee

 

 

 

 

 

 

Visto O-1

foto para o O-1

Umas das primeiras coisas que a gente aprende quando se muda para a América é não perguntar o status imigratório de ninguém, já que algumas pessoas vivem ilegalmente no país, mas essa ainda sim é uma das perguntas que eu mais recebo na minha página do facebook…rs. Há várias maneiras de se viver LEGALMENTE no país e são vários os vistos para isso: por exemplo, visto F-1, J-1 e H-1B (esses são os mais comuns). Eu mesma quando cheguei em 2007 possuía um visto F-1 (visto de estudante). Em 2009, eu e meu marido mudamos o nosso status imigratório: do visto F-1 eu troquei pelo visto O-3 e é com ele que eu tenho vivido aqui desde 2009 (já foi renovado 1 vez). Eu sei que muita gente não conhece este tipo de visto e, por isso, vou explicá-lo brevemente aqui:

O que é o visto O-1?

Este tipo de visto é expedido para quem possui habilidades extraordinárias, ou seja, uma pessoa que se destaca em seu campo de atuação. Pode ser na área de artes, esportes ou mesma na área médica/científica. É considerado um visto de trabalho.

O que é o visto O-3?

É o visto que é dado aos dependentes dos portadores do visto O-1 (cônjuge, filhos)

Qual a duração do visto?

A imigração dá 3 anos a partir do dia do envio dos papéis, ou seja, enquanto a pessoa espera pela resposta, o tempo do visto já está contando 😦

Quem pode pedir este tipo de visto?

Pessoas que possam comprovar que se destacam em sua área de atuação.

Que tipo de “evidência” é preciso enviar para a imigração?

Todo tipo de documento que comprove suas HABILIDADES EXTRAORDINÁRIAS. No caso do meu marido que é músico, ele enviou todos os recortes de jornal, revistas, material já publicado na internet, capas de discos e dvds, cópias de contratos, prêmios conquistados, nominações para prêmios, etc. Por fim, a pasta dele de papéis continha mais de 250 páginas. É preciso mostrar uma agenda de 3 anos de atividade, com atividades ocorrendo principalmente nos EUA. É preciso também de um sponsor para assinar os papéis. No caso do meu marido o sponsor foi um agente que trabalha no meio artístico. Pode ser até um advogado que trabalhe no meio (a pessoa tem que ser nativo ou ter o green card). Fizemos todo o processo com um advogado, o que acredito que ajudou muito. Já vi muita gente mandar os papéis por conta própria e não ter o visto aprovado. Ah, também é preciso cartas de referência. O advogado pediu VINTE. A imigração pode aprovar os papéis de uma vez ou mandar uma lista de exigências adicionais para analisar e dar o seu parecer final. Na primeira vez que mandamos os papéis, foram pedidas 2 coisas adicionais: que meu marido comprovasse que ele era quem ele estava falando, já que o nome dele no passaporte é diferente do nome artístico. Também pediram para que enviássemos três cartas de recomendação de artistas conhecidos nos EUA. Quando fomos renovar o visto, não foi pedido nada adicional.

Para o processo desse visto, eu realmente acho imprescindível a presença de um advogado experiente na área, pois este não é um visto fácil de conseguir, é repleto de detalhes (inclusive a forma como os documentos são dispostos na pasta que é enviada para a imigração) e, sem ele, acho que seria mais difícil a sua aprovação. Esse não é um visto muito divulgado e, mesmo no Consulado Americano no Brasil, há funcionários que nunca expediram esse tipo de visto. Quando eu entrei nos EUA com este visto, na imigração do aeroporto o agente imigratório me disse que aquela era a primeira vez que ele via aquele visto.

PARTE INCONVENIENTE DO VISTO O-1: devido a um tratado de reciprocidade dos EUA com o Brasil (sim, a culpa é do Brasil), apesar de termos um documento da imigração atestando que podemos morar aqui por 3 anos, o visto no passaporte só vale por TRÊS MESES. Isso significa que TODAS AS VEZES QUE SAIRMOS DOS EUA (mesmo que seja para uma viagem para o Canadá, que é aqui do lado), caso o visto tenha expirado, precisamos levar os papéis da imigração até um consulado ou embaixada e pedirmos um visto novo. Isso significa que temos que pagar TODO O PROCESSO DO VISTO NOVAMENTE para expedir um novo. É um saco isso, pois há consulados que nunca expediram o visto O-1 e já ouvimos casos de amigos que precisaram ir para outro país (diferente do que estavam) para solicitar um visto, pois onde estavam tinha sido negado. Outro detalhe: mesmo seus documentos tendo sido aprovados pela imigração aqui, AINDA SIM você pode ter o visto recusado quando for ao Consulado. Eu sei, parece ridículo o próprio consulado ir contra a decisão do próprio governo, mas pode acontecer.

Foto tirada do visto do Uka

IMG_2646

Para maiores informações, é só acessar esse link: http://www.uscis.gov/working-united-states/temporary-workers/o-1-individuals-extraordinary-ability-or-achievement/o-1-visa-individuals-extraordinary-ability-or-achievement

POR FAVOR, TODAS AS PERGUNTAS DEVEM SER DEIXADAS AQUI NO POST E NÃO MANDADAS PARA O NOSSO E-MAIL.

E você, conhecia esse tipo de visto? Deixe aqui seu comentário 😉

Se gostou do post, não deixem de curti-lo😉

Vejo vocês no próximo post! Byyeeeeee

Follow us on FACEBOOK: http://www.facebook.com/viajantesemmala

Follow us on INSTAGRAM: @viajantesemmala

Follow us on TWITTER: @Viajantesemmala